Deus criou a água, mas o homem fez o Vinho


Vinho

Blogues

English

Curiosidades

Imprensa






Papo de Vinho





Os vinhos naturais de Raffaello começam nos vinhedos. Vinhedos com ervas, com vida em baixo e em cima da terra.
Andar pelos vinhedos do Podere Veneri Vecchio, na Campania, é natureza pura.





Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/HLE7N8sKZ_I/a-natureza-nos-vinhedos-de-raffaello.html





No Podere Veneri Vecchio, na Campania (Itália), Raffaello não usa pesticida, herbicida, sulfitos...
Tem seus próprios preparados, sem seguir nenhuma cartilha.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/MmsL3UqCud0/um-combinado-de-plantas-maceradas-e-o.html





Raffaello Annicchiarico fala das leveduras indígenas e do eco sistema do Podere Veneri Vecchio.
Ele é microbiólogo e sabe que em um ambiente natural as leveduras cumprem seu papel sem nenhum esforço.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/uPwKsoL7irw/o-microbiologo-raffaello-nunca-gastou.html





Entrevista com Raffaello Annicchiaricco, do Podere Veneri Vecchio, da Campania. Ele produz vinhos naturais e protege as variedades autóctones da extinção.
A Agostinella é sua paixão, uma resistência.
Resistência que lembra um símbolo da história italiana, a música Bella Ciao.
Bella Ciao é o nome do vinho elaborado com a Agotinella.





Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/AB5tv04DIRI/a-uva-agostinella-quas-foi-extinta-mas.html




O presidente da Viña Santa Rita, Baltazar Sánchez Guzmán, contou como aconteceu a descoberta da Carménère nos vinhedos da Viña Carmen, no Chile.
A Viña Carmen é do mesmo grupo da Santa Rita.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/jfSIUnTIJws/detalhes-da-descoberta-da-carmenere-no.html






Raffaello Annicchiaricco, do Poderi Venere Vecchio, não segue nenhuma cartilha. É um microbiólogo que largou o trabalho numa empresa para cuidar dos seus vinhedos.
Ele usa um método próprio para fazer vinhos sem sulfitos e produzir uvas que nunca viram nenhum tratamento químico.
Fiz uma série de entrevistas com ele.
Essa é só a primeira.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/OQPjEkQfrUQ/conheci-um-natureba-na-campania-italia.html








Na pequena cidade de Telese, na Campania, os vinhos naturais já são uma tendência.
Visitei a Enoteca Mostovino e conversei com o Antonio.





Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/h4aQ6nPEvOQ/visitei-enoteca-mostovino-na-campania.html





A feira Divin Castagne reúne chefs e produtores de vinho na cidade de Sant'Antonio Abate, pertinho de Napoli, na Itália.
Eu conversei com o chef Luigi Chirico, que mostrou como se faz o Orecchiette com Fagioli.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/F9m661oVktQ/chef-italiano-ensina-fazer-orecchiette.html






Visitei a DOP Pomodorino Del Piennolo del Vesúvio, A denominação de origem que produz tomates apenas uma vez ao ano, vende o mesmo fruto por toda a entre safra sem nenhum conservante, câmera fria, nada artificial.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/g3wZ5Mzo0qo/o-melhor-tomate-do-mundo-dura-um-ano-e.html




Quem segue o papodevinho.com ou a página youtube.com/betoduarte, vai acompanhar uma série de reportagens que estão sendo feitas na Campania (Itália).
Começo mostrando imagens do Vesúvio, do Golfo de Nápoles e do Castello di Letere.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/216lN32juVo/o-vesuvio-o-castello-di-letere-e-o.html




A história da Familia De la Mota começou com o Raúl de la Mota, pai do Roberto.
Ele simplesmente trabalhou e trocou ideias com o engenheiro químico francês Jean Ribereau-Gayon e Émile Peynaud.
Peynaud e Ribereau-Gayon revolucionaram as técnicas da enologia e são os responsáveis pela melhora significativa nos vinhos que se produzem hoje em dia, em relação ao que se produzia no passado.



Don Raul de la Mota foi o grande nome da enologia argentina e é conhecido como o Pai da Malbec.
Embora Michel Rolland fale aos 4 cantos que foi o responsável pelo sucesso da Malbec na Argentina, Raul foi o primeiro a lançar o varietal e colocar a Malbec do país no mapa mundial do vinho.
Foi o Weinert Estrela 77, o primeiro e inesquecível vinho, que deu início a história da Malbec em Mendoza. Raul morreu em 2009, aos 91 anos.
O Roberto de la Mota, que tive a honra de entrevistar por 11 minutos (queria mais), está longe de ser apenas o filho de Don Raul.
Estudou em Montpelier, conheceu Peynaud, trabalhou na Weinert, participou da criação do grande Cheval des Andes (Projeto da Cheval Blanc, em Mendoza) e hoje é o responsável pela enologia da Mendel Wines.








Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/xqTdACpXRI4/entrevista-especial-com-roberto-de-la.html



O Encontro de Vinhos acontece amanhã, das 13 às 19 horas na Casa da Fazenda Morumbi.
Avenida Morumbi 5594.
Ingressos no site: www.encontrodevinhos.com.br ou no local.

Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/9PEp78ULED4/um-cava-um-branco-esloveno-e-um-tinto.html




O nome do cara é Alejandro Santo Domingo.
Está na lista da Revista Forbes com uma fortuna estimada em bilhões de dólares.
A família de Alejandro enriqueceu com a produção da cerveja Bavaria, aumentaram a fortuna com uma fusão com os ingleses do grupo SAB Miller e depois com a fusão da SAB Miller com a belgo brasileira AB InBev.
O jornal francês Les Echos noticiou a transação entre Alejandro e a família Moueix por 20% do Château Petrus.
A família francesa continua no controle.
O Château Petrus tem 11,5 hectares de vinhedos no Pomerol (Bordeaux) e produz cerca de 30 mil garrafas por ano.
Dependendo da safra, cada garrafa pode ser vendida por cerca de 4 mil euros.
A propriedade está avaliada em cerca de 1,16 bilhão de dólares.
Informações extra oficiais dizem que Alejandro teria pago 200 milhões de euros pelos 20% da propriedade.

Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/mRDBL1pHNhQ/bilionario-colombiano-compra-parte-do.html





O primeiro milhão dessa fantástica "Disneylandia"do amante do vinho aconteceu no dia 29 de Agosto. A inauguração para o público foi em Junho de 2016.
Os organizadores catalogaram visitantes de 176 nacionalidades diferentes, mas 70% dos visitantes são franceses.
Pela ordem de nacionalidade dos visitantes, os ingleses lideram, seguidos por norte americanos, espanhóis, suíços, alemães e italianos.
A minha visita, para uma reportagem, foi logo após a inauguração e eu fiquei impressionado com as ideias, a quantidade de informação e a tecnologia da Cité.
Assista e comprove.





Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/C9fiqYZHVXc/a-cite-du-vin-em-bordeaux-chega-ao.html




O amigo João Filipe Clemente vai acompanhar um grupo pelas principais vinícolas de Santa Catarina, provando cerca de 70 vinhos, a partir do dia 10 de Outubro. 
O João é um grande conhecedor de vinhos e já tem experiência com esse tipo de viagem, principalmente no exterior. Com certeza além de lugares fantásticos, boa gastronomia e vinhos, quem fizer essa viagem vai aprender muito com o João Filipe. Abaixo o roteiro e o link para mais informações, no próprio blog do João:




ROTEIRO

Dia 10 Viracopos a Lages - micro ônibus, com ar condicionado, wi-fi e toalete a bordo, até São Joaquim Park Hotel (mais ou menos 2 horas de viagem) Jantar de boas vindas harmonizado com a Vinícola Conti (às 20h) com a presença de seu proprietário Humberto.
Dia 11 Visita 11h, degustação com almoço à Vinícola Thera em Bom Retiro (mais ou menos uma hora e quinze de viagem), na volta a São Joaquim final de tarde, 16:30h, degustação na Casa do Vinho com vinhos de vinícolas que não visitaremos  - Jantar livre
Dia 12 Visita 10h e degustação na vinícola Leone di Venezia (30 minutos de viagem), seguido de almoço e degustação às 12:30 na Villaggio Bassetti (15 minutos de viagem). Se tempo permitir, estiver aberto, ida até o Mirante da Serra do Rio do Rastro (uma hora para ir e outra para voltar) - Jantar livre  .
Dia 13 -10h visita e degustação à Villa Francioni (30 minutos de viagem) e às 2:30h Almoço harmonizado no restaurante da Vinicola Monte Agudo (15 minutos de viagem). Se não formos ao Mirante no dia anterior, tentaremos neste dia- Jantar livre
Dia 14 10h partida em direção a 13 Tílias com parada na vinícola Abreu Garcia, (cerca de 2:30h de viagem) próximo a Lages, visita, degustação e almoço às 12:30. Após almoço, partida para 13 Tílias e chegada no Hotel Tirol (cerca de 3 horas de viagem). Jantar livre
Dia 15 - Visita ás vinícolas; 11:30 Santa Augusta (Videira-  45 minutos de viagem) com almoço  e posteriormente Vinícola Panceri (Tangará 40 minutos) às 16h . Jantar livre
Dia 16 - vinícola Villaggio Grando (Água Doce/Caçador cerca de uma hora de viagem) às 11h com almoço. Meio da tarde retorno ao hotel e às 20 horas jantar de encerramento harmonizado na cervejaria artesanal local Beerbaum.
Dia 17 - saída às 8:30h horas para Chapecó (4 horas de viagem) para retorno e encerramento da viagem. Antes de chegar ao aeroporto faremos uma parada estratégica para comermos algo antes do voo.
O preço inclui as seis noites de hotel com café da manhã, jantar de boas vindas, jantar de encerramento, transporte terrestre (Micro ônibus com ar condicionado, toalete e wi-fi a bordo), almoços e degustações nas vinícolas sendo que em todas elas negociei degustações exclusivas com vinhos por mim escolhidos (cerca de 70 vinhos diferentes de 10 vinícolas diferentes mais a degustação na Casa do Vinho) e acordados com os produtores. Inclui também seguro mas não passagens aéreas. O preço é de R$4.250,00 em apartamento standard duplo e se single R$4.500 que poderá ser pago 30% no ato da reserva e o restante em até 3 vezes sem juros. Quartos triplos poderão ser disponibilizados e o preço deve cair alguma coisa, mas aí só falando com a agência. Aéreo hoje, Viracopos > Lages, Chapecó > Viracopos com a Azul, R$640,00.


Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/MBDmSCf5REs/viagem-por-vinicolas-na-serra.html




Impossível visitar Verona e não conhecer o Muro di Giulietta ou Muro do Amor.




Na parede onde está o pequeno terraço que inspirou Shakespeare no romance Romeu e Julieta, românticos do mundo inteiro, casais apaixonados e até turistas em busca de um amor, escrevem seus nomes para eternizar seus próprios romances como se fossem Romeus ou Julietas.


Bem pensado o rótulo desse vinho do Vêneto.
O rótulo é a foto do muro.
Nas palavras Passione Sentimento, aparece grande o nome passimento, que se refere ao ressecamento (appassimento) de parte das uvas de Merlot e Corvina, que são desidratadas como na produção dos amarones, para dar mais intensidade e complexidade ao vinho.
A outra variedade, Croatina, entra fresca, para colaborar com a acidez do vinho.
O resultado é um vinho de cor rubi concentrada.
No nariz boa intensidade aromática, com destaque para cereja e ameixa em compota, cinza e especiarias doces.
Na boca oferece uma sensação levemente adocicada, lembrando um Amarone, mas não a ponto de ser confundido.
Encorpado, taninos bastante macios e boa acidez.
Tem boa persistência e álcool comportado, apesar dos 14% indicados no rótulo.
Nota: 88
Preço: R$ 72,16 comprando uma caixa fechada na Wine Eventos. Se você conhecer um embaixador da Wine Eventos que venda menos de uma caixa, o valor fica bem legal. Eu comprei da Carla, em São Paulo e paguei R$ 64,92. O contato da Carla é 16 997664356.
Importador: https://www.wineeventos.com.br/kits/kits-de-vinhos/romeo-juliet-passione-sentimento-i-g-t-veneto-rosso-kit-com-12-garrafas/prodMJM697.html



Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/TpSRRl4x9zg/passione-sentimento-igt-veneto-2015-o.html






É interessante o que está acontecendo com os rosés na América do Sul.
Antes apresentavam uma coloração forte, parecia a cor de um Clairet (veja vídeo sobre o Claret de Bordezux https://www.youtube.com/watch?v=2yoXOUxu06c) sem ser um clairet, apresentando um vinho sem nenhuma identidade.
Pouco a pouco os rosés vão ganhando a cor ideal, os aromas ideais e a qualidade ideal se levarmos em conta a capital mundial dos rosés, que é a Provence, na França.
Claro que todo mundo que se propõe a produzir um vinho rosé fica com os olhos virados para a Provence.
O resultado está aparecendo.
No ano passado, em outubro, provei o rosé da Garzon, elaborado com a Pinot Noir.
Um super rosé com uma qualidade que eu ainda não havia provado no novo mundo (veja o post: http://www.papodevinho.com/2018/02/os-vinhos-da-garzon-mostram-um-uruguai.html).
Ontem provei pela segunda vez, mas pela primeira vez devidamente rotulado e oficialmente lançado ao mercado, o Lingal, da Perez Cruz.
É um Rosé chileno com cor, aroma e complexidade de Provence.
As variedades de uvas são as mesmas da Provence (Grenache e Mourvèdre).
A cor é maravilhosa. Rosé claro, entre o rosé pálido e o salmão.
No nariz, as ervas aromáticas que os franceses chamam de garrigue, tuti fruti, morango...
Na boca é seco, extremamente fresco, com uma excelente acidez e equilíbrio.
Sabor intenso com uma nota salina e repetindo os aromas sentidos no nariz.
Tem poucos taninos e um final longo.
É complexo e refrescante.
Para beber jovem.
O importador em São Paulo ainda não recebeu os vinhos, mas garante que chegam dentro do mês de setembro.
Importador em São Paulo: Folks
Nota: 92
Preço: 70 reais



Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/4Scsw0xaX4g/lingal-2018-rose-chile-o-melhor-rose-do.html







Nesta quarta feira o enólogo German Lyon, da Viña Perez Cruz, vai receber os consumidores para uma noite de Jazz, vinhos e coquetel, no Café Journal, em São Paulo.
O Café Journal já tem uma tradição importante com o vinho.
Cartas interessantes, feiras que já passaram por lá e o ambiente que tem tudo a ver com a bebida.
O Perez Cruz Jazz Day começa as 19:30 e custa 90 reais.
O endereço é Alameda dos Anapurus, 1121 - Bairro de Moema.
Eu vou!

Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/Znz2Fyx1QNY/vinho-jazz-enologo-conceituado-e.html





Imagina um super vinho, um Grand Cru Classé de uma das regiões mais valorizadas do mundo do vinho, converter todos os seus vinhedos em agricultura biodinâmica?
Foi o que aconteceu com o Pontet-Canet, destino da reportagem especial de hoje.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/Zlo_4Mgn_v0/pontet-canet-o-grand-cru-biodinamico-de.html






O evento de uma das principais importadoras do país, promete mais de 100 rótulos para degustação.
A importadora tem um catálogo com vinhos de 12 países e sempre foi conhecida por escolher bem seus produtores.
Imagina no mesmo dia provar vinhos da Toscana, Piemonte, Bordeaux, Borgonha, Rioja, Duero...
É um evento obrigatório para o amante do vinho de Campinas e região.
Eu vou.

Serviço: 
Decanter Wine Day 

Data: Sexta-feira, 24 de agosto
Horário: das 18h às 22h
Local: Espaço 301 (R. Amélia Bueno, 301, Taquaral)
Convites: R$ 120,00 (com um voucher de R$ 40,00 para compras no evento)
Compras: Pelo link: encontrodevinhos.minhalojanouol.com.br/produto/146337/decanter-wine-day-campinas
Decanter Gramado Mall: Alameda dos Vidoeiros, 455, Bairro Gramado.
Decanter Cambuí: R. Cel. Quirino, 2009, Cambuí.

Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/klmGX-tp-GQ/campinas-tera-o-decanter-wine-day-na.html





Mais uma reportagem especial na margem esquerda de Bordeaux.
Dessa vez visito dois Grand Cru de Margaux de um mesmo proprietário.
Chateau Giscours e Chateau du Tertre.




Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/ZLRvbJGf9pw/chateau-giscours-e-chateau-du-tertre.html





Foi uma tarde entre os vinhedos de Côtes de Bordeeaux, Sauternes e Barsac, numa reportagem feita em 2015, exibida em partes e agora tudo num mesmo vídeo.
A família Dubourdieu é conhecida por revolucionar o mercado com brancos excelentes de Sauvignon Blanc.
O Jean-Jacques respira vinho.
Assista:





Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/OSZKUXINSQ0/sauternes-barsac-e-cotes-de-bordeux-com.html





Foi em bom português que fui recebido pelo Jean-Charles Cazes.
Ele viveu em São Paulo e é filho de portuguesa.
Com a aposentadoria do pai o grande Jean-Michel Cazes, Jean Charles assumiu o negócio da família em 2006 e conseguiu manter a excelência dos vinhos.
Assista a reportagem!



Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/osZ3u2HHe1Y/reportagem-especial-no-chateau-lynch.html





Visitar o Smith Haut Lafitte é sem dúvida uma grande experiência.
É um complexo de enoturismo impressionante.
O hotel Spa Les Sources de Caudalie, um restaurante 2 estrelas Michelin, obras de arte e um vinho fantástico.





Fonte: http://feedproxy.google.com/~r/PapoDeVinho/~3/elZlDh9Mr_M/reportagem-especial-no-grand-cru-classe.html